Método Fônico e suas contribuições para a alfabetização da criança com Síndrome de Down

Método Fônico e suas contribuições para a alfabetização da criança com Síndrome de Down

post 03

A Síndrome de Down, ou trissomia do cromossomo 21, é uma alteração genética causada por uma mutação no cromossomo 21, que ocorre devido a uma alteração na divisão celular durante a formação embrionária.

As crianças com síndrome de Down progridem consideravelmente no primeiro estágio de leitura, onde aprendem a ler por meio da leitura de palavras inteiras ou vendo seu correspondente visual. Mas, frequentemente tem mais dificuldades de passar para o estágio alfabético com a abordagem fônica ou alfabética – quando começam a usar correspondências entre letra e som para decodificar ou dividir palavras em sons separados para lê-las e soletrá-las. Atrelado aos problemas com audição, habilidades de memória e resolução de problemas, pesquisas apontam que crianças com Síndrome de Down apresentam mais dificuldades para adquirir consciência fonológica.

A alfabetização é muito importante para que as crianças com Síndrome de Down adquiram uma comunicação com articulações e vocabulários adequados, porém, o processo de alfabetização dos alunos com a Síndrome não é uma tarefa fácil, pois, se faz necessário, durante o processo, estimular primeiro o convívio social e o desenvolvimento da oralidade da criança para facilitar o desenvolvimento.

Pesquisas recentes têm reafirmado as contribuições eficientes do Método Fônico e suas contribuições para a alfabetização de crianças com síndrome de Down. Esses alunos conseguem identificar e de ter o conhecimento do fonema relacionado ao grafema, porém, possuem problemas nas articulações de fonemas, principalmente por letras que possuem o grafema parecido como b e p. Assim, o desenvolvimento da consciência fonológica é imprescindível para a aprendizagem de crianças com Síndrome de Down, já que tem relação com as habilidades de linguagem, incluindo a escrita, a fala e a leitura. É muito importante para o processo de alfabetização, visto que, é uma habilidade necessária para o processo fonológico.

A alfabetização pelo Método Fônico é comprovadamente o mais eficaz, gerando maior independência aos leitores. Nele, as crianças precisam entender que as letras têm nomes e sons. Conhecer o nome da letra é importante para saber identificá-la, assim como o nome de uma pessoa, que serve para identificá-la, mas sozinha não é suficiente para conhecê-la. Sendo assim, conhecer o nome das letras não é suficiente para fazer uma criança ler. Por exemplo, se essa criança conhece às quatro letras da palavra BOLA, ela não conseguirá formar a palavra apenas juntando as letras, o que concluímos que apenas ouvir a soletração de uma palavra, por meio do conhecimento apenas das letras, não permite uma pessoa não alfabetizada compreendê-la.

Sendo assim, além do nome da letra a criança precisa conhecer o som ou sons que a letra tem, pois, são eles que permite que ela compreenda como funciona o princípio alfabético. A criança só conseguirá ler a palavra BOLA após conhecer individualmente o som de cada letra e juntá-las em um bloco atribuindo um significado a esse conjunto de sons, sendo a palavra.

A associação entre grafemas, ou seja, símbolos, letras, e fonema, sendo, som e fala, proporciona que a criança consiga decifrar milhares de palavras. O Método Fônico contribui para a aquisição e o desenvolvimento da consciência fonológica auxiliando na articulação da fala. Portanto, o Método Fônico é uma abordagem que deve ser considerada uma das principais estratégias de ensino para os alunos com Síndrome de Down.

[1] https://anais.unilasalle.edu.br/index.php/sefic2018/article/download/1042/985

Gostou desse post? Comente abaixo e acompanhe nossas Redes Sociais!

Deixe um comentário

Abrir Chat
💬 Olá
Educação Especial PE
Olá 👋!
Acessei o Educação Especial PE e quero saber mais.